Tudo é hackeável

20/09/2018

Dezenas de milhares de hackers e especialistas em segurança de computadores de todo o mundo se reuniram em Las Vegas (EUA) em duas das maiores reuniões sobre segurança cibernética, os eventos Black Hat e DEF CON.

Entre esses milhares de visitantes a Las Vegas esteve Darío Gómez, analista de segurança de LACNIC, adquirindo conhecimentos sobre as últimas tendências em vulnerabilidades tecnológicas e sobre os ataques cibernéticos mais quentes, e fazendo networking durante uma semana com profissionais de diferentes continentes.

O Black Hat é um evento mais empresarial e voltado para soluções comerciais, enquanto o DEF CON reúne o mecanismo de hackers do mundo da Internet.

Gómez apontou que a agenda de discussão de Black Hat incluiu desde a fragilidade de um grande número de dispositivos móveis e a Internet das coisas até questões mais específicas, como o controle de carros sem motorista, entre outros assuntos.

O Black Hat, com cerca de 7.000 participantes, é considerada a reunião de segurança anual mais relevante do Hemisfério Norte e levanta uma “visão comercial” das ferramentas para resolver problemas informáticos, com produtos para mitigar as possíveis vulnerabilidades dos dispositivos conectados à rede, disse Gómez.

Inclui oficinas e capacitações, e mostra as tendências globais em segurança cibernética. “Você vê desde os problemas habituais até as tendências mundiais. Mostram o que eles fizeram, mas não os detalhes de como o fizeram, por motivos de prevenção. E eles deixam bem claro que tudo é hackeável, qualquer tipo de dispositivo pode ser violado”, acrescentou Gómez.

No DEF CON, Gómez teve que lidar com cerca de 30 mil participantes, uma multidão diversificada de pesquisadores de segurança, profissionais e fãs de todo o mundo atraídos por esta convenção anual. “Lá eles mostram o que quebramos e como o quebramos. Compartilham o que fazem com você”, afirmou o analista de LACNIC.

Uma das novidades que chamou a atenção foi a pirataria de carros, mediante o desbloqueio de um carro acessando seu computador a bordo na ausência do proprietário, conseguindo a abertura e a iluminação do mesmo. “Hoje quase todos os carros são assistidos por um computador. Há muitas pessoas que se dedicam a hackear carros. Alguns procuram melhorar a segurança desses dispositivos e outros com fins mais criminosos, conseguem roubá-los “, contou Gómez.

Esta reunião tem sessões em paralelo com “muito espírito de colaboração”, que permite fazer networking o tempo todo. Precisamente a troca permanente de conhecimento foi um dos aprendizados de Gómez no DEF CON. “Acho que na América do Sul falta esse networking desinteressado e permanente, somos mais fechados para compartilhar conhecimento. No DEF CON trabalhamos em grupos de pessoas que têm interesses comuns, que se reúnem para compartilhar conhecimentos e colocar desafios para encontrar vulnerabilidades e todos colaboram de forma desinteressada contribuindo com seus conhecimentos”, disse Gómez.

Suscríbete para recibir mensualmente las últimas novedades en tu mail Click here to subscribe and monthly receive the latest news in your inbox. Inscreva-se aqui para receber mensalmente as últimas novidades no seu e-mail