Apoio aos IXP para melhorar a segurança de roteamento

18/08/2021

Um plano de apoio às organizações de Pontos de Troca de Tráfego, promovido pelo LACNIC, Internet Society (ISOC) e LAC IX, está melhorando a segurança de roteamento da Internet na região.

O projeto permitiu que todos os IXP envolvidos tenham o sistema de validação RPKI, automatizem seu servidor de rotas, tenham uma plataforma de gerenciamento centralizado e estejam fazendo certificações das Normas de Acordo Mútuo para Segurança de Roteamento (MANRS).

Como objetivo deste programa, as três organizações procuram promover a cultura de responsabilidade coletiva para a resiliência e segurança do sistema de roteamento global da Internet e demonstrar a capacidade da indústria para resolver esses problemas.

Mauricio Oviedo, CEO da empresa SOCIUM.CR e colaborador deste projeto, explicou que o trabalho envolveu tanto a melhoria dos IXP que estavam em operação quanto a criação de novos pontos de troca de tráfego em países da região.

O programa acompanhou a evolução dos IXP no sentido de implementar as melhores práticas, conseguindo realizar em semanas ou meses, processos que poderiam demorar um ano ou mais.

Da mesma forma, os seus integrantes foram capacitados com um processo de transferência de conhecimentos para que os IXP possam continuar operando sem acompanhamento uma vez terminado o apoio do programa, acrescentou Oviedo.

 O plano. O programa identifica as necessidades dos diferentes IXP (em operação ou começando) e, depois, realiza os processos de implementação e capacitação. Parte deste processo inclui o apoio com infraestrutura. Neste caso, trata-se de gerir através do LACNIC ou da Internet Society para fortalecer o que têm, ou conseguir novas equipes.

Também “como parte do processo, os serviços de valor agregado do LACNIC (coletor de rotas BGP e DNS Anycast dos servidores inversos) são instalados nos IXP”, comentou Guillermo Cicileo, líder de Pesquisa e Desenvolvimento em Infraestrutura da Internet do LACNIC.

Oviedo apontou que seis dos IXP incluídos no programa já fazem parte do programa MANRS para IXP e os quatro restantes irão aderir ao final do processo. O consultor salientou que se pretende gerar uma rede em que os IXP deem o exemplo aderindo ao programa e depois as operadoras desses países o façam.

“A aposta em fortalecer os IXP como parte da infraestrutura da Internet de cada país vai no sentido de melhorar a segurança e estabilidade da Internet nesses pontos pelos que passa boa parte do tráfego local. Além disso, os IXP produzem um efeito multiplicador sobre seus membros, fazendo com que muitos deles também adotem as melhores práticas e apoiem para que os próprios operadores se unam a MANRS ”, comentou Guillermo Cicileo, Líder de I+D do LACNIC.

Para Israel Rosas, Gerente Sênior de Desenvolvimento Regional da Internet Society, esse tipo de colaboração traz vários benefícios para a Internet. “Ao ajudar a implementar e fortalecer IXPs na nossa região, conseguimos que a Internet continue crescendo e seja mais resiliente. Ao mesmo tempo, a ação coordenada com os atores da comunidade técnica incentiva os IXP a adotarem as melhores práticas em questões de segurança, criando um exemplo importante para outros membros da comunidade.”

Por sua vez, Gabriel Adonaylo, Gerente do LAC-IX, destaca a importância da colaboração entre as organizações da Internet da região, proporcionando resultados concretos no curto prazo. Acrescenta ainda “Trabalhamos em conjunto entre os diversos atores, planejando e realizando a execução de múltiplas iniciativas em busca do fortalecimento da Internet. A segurança no roteamento é um dos componentes fundamentais que compõem essas iniciativas”.