O número de usuários com IPv6 na região cresceu 50%

30/01/2019

A implementação do protocolo IPv6 nos territórios de abrangência de LACNIC aumentou significativamente em 2018, destacando-se principalmente os casos da Argentina, México e San Martin. Da mesma forma, o número de usuários com IPv6 cresceu 50% entre janeiro e dezembro, segundo medições feitas pela área I+D de LACNIC.

Para medir o IPv6 na região, LACNIC usa os valores dos prefixos anunciados, os prefixos designados à região, o IPv6 nos servidores de conteúdo e o IPv6 no usuário final. “Muitos números são obtidos de nossos próprios sistemas e outros provém de fontes externas, sempre respeitando seus créditos respectivos”, comentou Alejandro Acosta, coordenador da área I+D de LACNIC.

No site de LACNIC Labs você pode encontrar o cronograma desde o início de 2014 com a evolução do IPv6 nos países da América Latina e o Caribe.

As estatísticas indicam que o Uruguai lidera o ranking de penetração do IPv6 com 31.5%, seguido pelo Brasil com 27.5%, um país que dobrou o número de usuários no último ano.

No entanto, Acosta destacou três países que conseguiram interessantes realizações em 2018: A Argentina, México e San Martin.

A Argentina cresceu em penetração do IPv6 mais de 50%; começou o ano de 2018 com 5.56% e terminou com cerca de 8%.

O México alcançou um crescimento de mais de 250% ao longo de 2018, atingindo hoje 22% de penetração IPv6 em seu território.

Finalmente San Martin – que na opinião de Acosta deveria ter ganhado a medalha de ouro em implementação do IPv6 – iniciou o ano com 0% de penetração IPv6 e em dezembro chegou a 14%.

Média da região. A área I+D de LACNIC está publicando uma média aritmética ponderada baseada na população dos países, no número total de habitantes da América Latina e no grau de penetração do IPv6 em cada país, para ter “um valor mais real dos usuários da Internet com o IPv6”, garantiu Acosta.

Com base neste trabalho, o número de usuários da Internet com IPv6 era de 10% no início de 2018 e de 15% no final do ano, alcançando um crescimento de 50%. “Para cada 100 internautas na Latam, 15 deles já navegam com o IPv6. Um valor que pode ser ignorado? Não, eu acho que não”, destacou o coordenador da área I+D de LACNIC.

Sites com ccTLDs. Uma das medições realizadas por LACNIC é localizar sites com ccTLDs da região e identificar se possuem IPv6. Depois, é feita uma pesquisa sobre se estes sites apontam para um endereço IP designado por LACNIC. “Em 2017, 33.9% desses sites com IPv6 apontavam para endereços designados por LACNIC. Em dezembro de 2018, apenas 19% desses sites estavam localizados em nossa região”, acrescentou Acosta. Em outras palavras, o conteúdo está sendo hospedado fora da região de abrangência de LACNIC.

Previsão otimista. Olhando para o futuro, Acosta se mostra positivo. De acordo com suas previsões, o IPv6 crescerá novamente em 2019. “Continuaremos a ver aumentos do IPv6 no usuário final, em redes de transporte só IPv6 e as novidades na região certamente irão apontar para data centers IPv6 only“, concluiu.

Suscríbete para recibir mensualmente las últimas novedades en tu mail Click here to subscribe and monthly receive the latest news in your inbox. Inscreva-se aqui para receber mensalmente as últimas novidades no seu e-mail