LACNIC

IPv6

Multiplicaram-se os casos de sucesso de IPv6 na região

29/10/2020

Após o esgotamento dos endereços IPv4, as organizações da região aumentam seus anúncios de prefixos IPv6 para desenvolverem com mais celeridade seu crescimento na Internet. A Megacable do México é uma dessas organizações que estão no TOP ASN da região em anúncios de prefixos.

Com uma evolução destacada em estadísticas de penetração do IPv6 no sistema autônomo, a Megacable é um dos casos de sucesso de IPv6 na América Latina e Caribe.

Em diálogo com o LACNIC News, Jorge Humberto Perez Pasillas, gerente de projetos e serviços IP da Megacable, destacou a estratégia implementada para implantar IPv6 e ao mesmo tempo oferecer serviços a usuários que ainda utilizam o produto anterior.

Qual foi a estratégia da Megacable na sua destacada implementação de IPv6 no México?

Tanto no México como em outros países da América Latina, os provedores de serviços estão trabalhando com diferentes estratégias para a transição gradativa para o IPv6.

Na Megacable estabelecemos uma estratégia que nos permita ser mais ágeis na implementação do IPv6, permitindo-nos, de forma simultânea, suportar dispositivos tanto dos terminais de rede quanto dos usuários que não são capazes de utilizar IPv6 (só IPv4) e aqueles que já são de maneira nativa capazes de suportar IPv6 e IPv4 (conforme forem respondidas as suas solicitações de CDN´s e as dos provedores de conteúdo consultados).  Além disso, implementamos em nossas redes “Dual Stack”, de acordo com a relação custo-benefício, oferecendo IPv6.

Preferimos o “Dual Stack” porque garante a implementação da forma mais transparente possível.

Mesmo assim, há anos que toda a aquisição de equipamentos deve ser compatível com o IPv6, isto nos permitiu que a base de assinantes tenha a possibilidade de obter conteúdo via IPv6 se seus equipamentos de informática, dispositivos móveis ou inteligentes assim o permitirem. Não obstante, contamos ainda com a base de equipamento terminal IPv4 que a cada ano vamos substituindo pela nova geração de equipamentos que possibilitam tráfego em IPv6.

Megacable é considerada uma das empresas líderes no mercado das telecomunicações no México, razão pela qual tem muita responsabilidade e contribui de maneira relevante no desenvolvimento tecnológico do país, fornecendo acesso e conectividade à Internet no México; da mesma forma tem um importante compromisso com a qualidade do serviço e experiência de uso de nossos clientes, o que nos levou a realizar uma análise exaustiva em cada uma das etapas que cursamos com nossos sócios provedores de tecnologia, para finalmente implementar a estratégia selecionada.

Em relação ao total de recursos, qual a porcentagem de anúncio de prefixos IPv6 que vocês contam?

Atualmente anunciamos 411 prefixos para a Internet, não mencionamos porcentagem, já que parte do endereçamento global que nos foi atribuído está sendo utilizado para realizar parte do processo administrativo de nossos dispositivos e requeremos que não seja publicado na Internet. A infraestrutura com suporte a “Dual Stack” contemplou a rede de core, rede de acesso e aplicativos envolvidos na entrega de serviços que têm sido fundamentais na implementação.

Como foi possível manter e até mesmo acelerar seu plano de implementação do IPv6 durante a pandemia pela COVID?

A pandemia é um evento que mudou a forma como realizamos nossas atividades em todos os âmbitos; como era de se esperar o confinamento incrementou a utilização da rede de Internet para uso social, educativo, trabalho e entretenimento; em muitos casos refletiu-se com um aumento de produtividade.

Megacable acredita que a disponibilidade do serviço de Internet nesta etapa é fundamental, e para isso, incrementar a capacidade da infraestrutura foi primordial, integrando a implementação do IPv6, visto que é um ponto estratégico para conseguir estender o endereçamento IP, que já está esgotado em sua versão IPv4. Não foi fácil, portanto tivemos que redobrar esforços para gerar e acelerar este crescimento na rede da Megacable.

Perante o iminente esgotamento do IPv4 na região, consideram que o IPv6 é a única alternativa viável para o desenvolvimento da Internet?

O esgotamento do IPv4 definitivamente é um fator decisivo da transição para o IPv6. O IPv6 é uma mudança em longo prazo, já que o conteúdo da Internet não está completamente neste protocolo, portanto, a referida transição deve ser complementada com estratégias que nos permitam manter a conectividade e a compatibilidade do conteúdo ou dos aplicativos que não fizeram a transição para o IPv6, por isso ainda precisamos depender do IPv4.

Estimam que as operadoras sabem das oportunidades que o IPv6 apresenta?

Cada operadora possui conhecimento de sua infraestrutura, bem como das limitações da mesma, mesmo quando existem tecnologias para fazer a transição para o IPv6, estas têm um alto custo econômico que impacta nos planos de investimento e, caso não sejam implementadas, podem gerar problemas ou interferir na qualidade da experiência para os usuários finais; estar preparada para uma transição para o IPv6 com a metodologia que for mais afim para cada operadora, torna-se mais econômico em longo período (considerando os custos de CGNAT´s e aquisição de endereçamento IPv4 no mercado com brokers ou terceiros), portanto tomar a decisão de quando começar ou a qual ritmo avançar pode se tornar um fator importante para ter uma operação ótima e oferecer um serviço de qualidade com melhor experiência para os usuários ou assinantes dos serviços ofertados pelas Operadoras de Múltiplos Serviços de Telecomunicações.