LACNIC

Internet

A Internet mitigou o impacto do COVID 19 na vida profissional, educacional e social

07/07/2020

Três personalidades da comunidade técnica da região destacaram como a Internet se tornou uma ferramenta fundamental durante a pandemia por COVID 19. Nesses tempos de quarentena e distanciamento social devido ao coronavírus, a Internet conseguiu manter o relacionamento social, possibilitando que bilhões de latino-americanos e caribenhos trabalhem à distância; e a outras muitas crianças e adolescentes receberem aulas por meio de plataformas educacionais on-line. Da mesma forma, a Internet manteve viva não apenas a economia da região (e do mundo) com o trabalho on-line e o e-banking, mas também possibilitou o divertimento da população com opções de vídeo sob demanda em horários incomuns e jogos on-line durante o dia todo.

Moderado por Franco Micallizzi, o LACNIC Podcast reuniu Nicolas Antoniello, Gerente de Relações Técnicas da ICANN; Lia Solis, Gerente Geral de LACNOG; e Carlos Martínez, Gerente de Tecnologias do LACNIC, para discutir o papel da Internet durante a pandemia.

Carlos Martínez quebrou o gelo afirmando que os últimos três meses −desde que a pandemia foi declarada− foram esquisitos e estranhos. “A vida de todos nós mudou drasticamente de um dia para o outro. E essa mudança abrupta, felizmente, teve uma ferramenta que permitiu que o impacto não fosse tão radical, a ajuda da Internet”, afirmou o Gerente de Tecnologias do LACNIC.

Graças à Internet, grande parte da população conseguiu continuar trabalhando, conseguiu socializar com a família e os amigos e também evitou o congelamento dos processos de ensino das crianças e adolescentes, com aulas por meio de diferentes ferramentas on-line.

“Ficou claro que a Internet é uma peça da infraestrutura da sociedade atual como a conhecemos”, disse o CTO do LACNIC.

Martínez estimou que a pandemia pôs em prática muito rapidamente, e quase ao mesmo tempo, um conjunto de possibilidades que a Internet sempre teve disponível.

Por sua vez, Antoniello reafirmou que a Internet tem sido o meio de comunicação, trabalho e socialização por excelência nos últimos meses. “A vida de muitos de nós”, disse o colaborador da ICANN, “passou significativamente pela Internet nestes tempos e tem sido a grande facilitadora de continuar desempenhando, nossas tarefas de trabalho e nossos vínculos sociais”.

No entanto, Antoniello lembrou que em uma escala global, cerca da metade da população ainda não tem a possibilidade de acessar a Internet. “Fica difícil imaginar no meu caso, como estes três ou quatro meses houvessem sido sem a Internet, não houvesse conseguido trabalhar. A Internet, nesse contexto, é como a estrela”, reafirmou.

Enquanto isso, Solís representou graficamente o exemplo da Bolívia, onde, até antes da pandemia, o teletrabalho era incomum. “Depois da pandemia o trabalho à distância produziu um resultado excepcional. O grande desafio para as empresas tem sido se adaptar rápido e investir em tecnologia. Nenhum esforço será desnecessário no futuro”, disse Solís.

Não entrou em colapso. Os três especialistas desmistificaram os temores generalizados nas redes de um possível colapso da Internet devido ao aumento do uso. “A Internet não entrou nem vai entrar em colapso”, afirmou Antoniello.

“Ficou demonstrado o suficiente de que todo o trabalho realizado nos últimos anos valeu a pena, pois no decorrer desta situação a Internet funcionou sem grandes inconvenientes e da mesma forma que costuma fazer”, acrescentou.

Ele afirmou que o trabalho sobre questões de segurança e resiliência de mecanismos ou sistemas críticos para o funcionamento da Internet deve continuar, como o DNS e o roteamento (mecanismos e caminhos que seguem as informações quando transmitidas em uma rede) em geral, “mais agora devido à mudança de trabalho do escritório da organização para o escritório em casa, onde geralmente há mais vulnerabilidades”, disse o especialista da ICANN.

No mesmo sentido, Solís se expressou e disse que nesta pandemia ficou demonstrada a importância de promover um tráfego local. “A proximidade dos conteúdos foi melhor experimentada”, acrescentou.

O futuro imediato apresenta grandes desafios, como manter uma Internet estável, alcançar a integração da educação em segurança e tentar promover o tráfego local, sem depender tanto de uma saída internacional.

Segundo as estatísticas, houve um aumento de 20% a 40% do tráfego, com um deslocamento no nível doméstico. O consumo de vídeo tem diminuído mais durante o dia.

Vida divertida e que vale a pena viver. No encerramento do podcast, Solís reafirmou o lado positivo da pandemia através da criação de capacidades.  Antoniello, enquanto isso, destacou múltiplos aprendizados.  “Temos que aprender como usuários, como fornecedores, levando em conta esta mudança, que surgirão mais empresas ou organizações que darão a seus funcionários a possibilidade de trabalhar desde casa. Os fabricantes de dispositivos também precisam aprender, para que comportamento o dispositivo está pensado com base nesses novos comportamentos de consumo”, disse Antoniello.

Para o Gerente de Tecnologias do LACNIC, “a pandemia acelerou uma década de transformações digitais e a compactou em dois meses. Muitas dessas transformações chegaram para ficar”.

Ouça o podcast completo aqui (em Espanhol)