LACNIC

Institucional

Lito Ibarra “Somos responsáveis pelas transformações que possam ser atingidas através da Internet”

29/10/2020

Rafael “Lito” Ibarra, Prêmio Trajetória 2020 do LACNIC por sua contribuição para o desenvolvimento e implementação da Internet na América Latina e Caribe, ficou emocionado ao receber a distinção durante o evento LACNIC 34 LACNOG 2020.

Conectado desde seu país natal, El Salvador, este referente regional da Internet, agradeceu “a honra” de receber o prêmio Trajetória número vinte concedido pelo LACNIC, e o primeiro realizado mediante cerimônia on-line, devido à situação mundial de pandemia.

 “Me sinto lisonjeado por estar acompanhado dos demais participantes do Prêmio, todos eles amigos muito queridos e distinguidos atores, pioneiros e construtores da nossa comunidade Latino-americana e Caribenha da Internet”, começou falando Ibarra, no seu discurso de agradecimento.

E prosseguiu: a Internet, tecnologia que permitiu que muitos de nós nos conhecêssemos, é também um elemento chave na forma de vida de milhares de pessoas do planeta, e foi, desde o começo, um fenômeno que transcendeu o plano tecnológico, contendo e definindo seus próprios valores nucleares nativos: abertura, inclusão, transparência, diversidade, solidariedade e generosidade.

O Prêmio Trajetória 2020 destacou que a Internet permitiu democratizar e tornar acessível o conhecimento, bem como distribuiu a responsabilidade de aproveitá-lo e propagá-lo, fazendo bom uso de seu potencial. “Todos Somos responsáveis pelas transformações que possam ser atingidas com esta ferramenta”, afirmou.

Sinalizou que, em seus 51 anos, a Internet contribuiu para mudanças em uma velocidade exponencial.  “Constantemente surgem novas propostas tecnológicas, umas muito positivas que compensam deficiências dos protocolos, algumas alternas aos designers atuais, e inclusive outras que representam riscos à unicidade e continuidade da Internet como a conhecemos”, disse Ibarra.

Precisamente a circunstância que hoje limita a reunião presencial serviu para acelerar a transformação digital, bem como o uso intensivo da rede de redes e o desenvolvimento de habilidades digitais, acrescentou o especialista.

 “Nos tempos atuais, coexistimos ao menos quatro gerações de pessoas, que alguns sociólogos identificam com baby boomers e as gerações X, Y e Z, das quais as duas primeiras somos migrantes digitais e as outras são consideradas nativas digitais. As diferentes percepções e atitudes das gerações perante a tecnologia e, em geral, perante o uso e a forma de interagir, marca profundamente os demais aspectos da sociedade, como a economia e o desenvolvimento das empresas e as nações”, ponderou Ibarra.

Destacou que nem todas as pessoas, em especial muitos jovens, percebem em sua completa dimensão o alcance, as possibilidades que o grau de conectividade de Internet oferece. “Aí está outro dos desafios para todos: atingir uma visão comum de evolução e progresso apropriado, apoiada, sobretudo, pela diversidade de conceitos, atitudes, idades e filosofias de vida”, reclamou o Prêmio Trajetória 2020.

Enfatizou a criação da Casa da Internet da América Latina e Caribe, uma concepção do LACNIC que representa de forma prática, cotidiana e espacial a união do trabalho de várias organizações e de muitas pessoas, cujo trabalho e dedicação têm o intuito de melhorar a Internet na região. “ICANN, LACTLD, Internet Society, RedCLARA, LAC-IX, eCom LAC, ASIET, ALAI e LAC-ISP, compartilham o espaço físico com o LACNIC, além de manter laços históricos e visões semelhantes, cada um desde sua perspectiva, âmbito de ação e comunidade à qual servem. Esta sinergia é espacial e própria da nossa região”, apontou Ibarra.

No encerramento, reiterou seu compromisso com o trabalho, seja qual for o papel que deva desempenhar, buscando o maior bem comum, mesmo que este não seja fácil de identificar. “Igualmente, a exortação é para os milhares de colegas e amigos do Caribe e da América Latina, para que sigam em frente com suas metas, buscando a conexão e a promoção de um uso vantajoso, produtivo, livre e ético da rede das redes, a Internet”, concluiu.