• Newsletter

  • Boletim informativo de LACNIC para a comunidade da Internet

Capacitações

Feed
Cambiar tamaño de fuente:

31/07/2017

Nova oficina de Amparo para enfrentar os riscos mais latentes à segurança cibernética

O WARP de LACNIC desenvolveu uma segunda oficina no Caribe para promover a criação de centros nacionais de resposta para incidentes em segurança informática nos países dessa região e capacitar ao pessoal responsável pela infraestrutura crítica sobre os riscos mais latentes de ataques cibernéticos.

A capacitação foi realizada durante o Forum Caribbean Cybersecurity and Cyberdrill, organizado em Suriname pelo Ministério do Transporte, Comunicações e Turismo local e ITU, em que LACNIC teve uma participação ativa tanto nas sessões de treinamento quanto nos painéis organizados no evento.

O primeiro dia do Fórum foi dedicado à oficina Amparo de LACNIC, em que mais de 40 inscritos de organizações públicas e privadas da Guiana, Guiana Francesa, Trinidad e Tobago, Dominica, Granada, São Vicente e Suriname receberam formação sobre como montar e criar um Centro de Resposta para Emergências Informáticas (CSIRT).

Em sessões teóricas e práticas, profissionais de diferentes setores como o bancário, estadual e acadêmico foram capacitados por especialistas de LACNIC para projetar e organizar centros nacionais que possam enfrentar as ameaças atuais à segurança cibernética. “Basicamente nós compartilhamos com eles informações sobre o que faz um CSIRT, que tipos de centros existem, como é a sua organização e arquitetura possível, quais as características do pessoal e os serviços que presta”, afirmou Graciela Martinez, responsável pelo WARP de LACNIC, e uma das professoras das oficinas Amparo.

Durante a capacitação, Martínez salientou que os CSIRT nacionais devem gerenciar os incidentes de segurança informática de acordo com a sua abrangência e comunidade. “Um CSIRT tem que fornecer informações oportunas sobre como responder aos diferentes tipos de incidentes, determinar seu impacto, abrangência e natureza, bem como apoiar a implementação das estratégias de resposta com as partes envolvidas”, comentou a especialista de LACNIC.

No segundo dia do Forum Caribbean Cybersecurity and Cyberdrill, LACNIC também desempenhou um papel de destaque nos diferentes painéis. Oscar Robles, CEO de LACNIC, falou sobre a importância do IPv6 nas questões de segurança no painel de abertura do Fórum, intitulado “O IPv6 para tomadores de decisões”.

Depois, Graciela Martínez, participou como palestrante no painel “Segurança cibernética no Caribe”, onde compartilhou estatísticas do WARP de LACNIC sobre as principais ameaças cibernéticas que enfrenta a América Latina e o Caribe. “Deve-se investir em segurança, e para isso é importante ter uma gestão e análise de risco para priorizar os ativos a serem protegidos”, disse Martinez.

O WARP de LACNIC, por ter participado do evento em Suriname e da segunda oficina de Amparo do ano na região do Caribe (já tinha sido realizada uma no Haiti) ficou como referente das iniciativas, apoios e capacitações sobre segurança cibernética na região para governos e atores da indústria, da academia e de operadores de infraestrutura crítica e provedores de serviços.