IPv6: O início de uma nova era da Internet

01/02/2011

IPv6: El comienzo de una nueva era de Internet
IPv6: O início de uma nova era da Internet

IPv6: O início de uma nova era da Internet

A entrega dos últimos cinco blocos disponíveis no estoque central do IPv4 tem marcado o início de uma nova etapa na história da Internet: a era do protocolo IPv6. A mudança de tecnologia vai possibilitar um crescimento ilimitado da Rede, sobre um protocolo muito mais avançado e amplo, com possibilidades ilimitadas de conexão e desenvolvimento. Para isso, a região toda deve acompanhar esse processo irreversível de mudança tecnológica.

Na região da América Latina e o Caribe, o trabalho do LACNIC e a participação da comunidade gerando políticas apropriadas, tem permitido dispor, durante um tempo prudencial, de endereços do protocolo atual (IPv4), como para garantir uma adequada transição para a nova versão da Internet (IPv6). As previsões mostram que o LACNIC tem suficiente quantidade de endereços para satisfazer a procura dos próximos dois anos.

Raúl Echeberría recebe simbolicamente o último bloco /8 para a região de América Latina e o caribe

Raúl Echeberría recebe simbolicamente o último bloco /8 para a região de América Latina e o caribe

Apesar disso, o LACNIC urge a todos os operadores, prestadores de serviço e provedores de conteúdo para que tornem efetivo o desdobramento do IPv6 o mais rápido possível. Os governos podem ajudar fazendo o mesmo com seus próprios serviços e estabelecendo políticas que promovam esse desdobramento.

“O futuro da Internet está no IPv6. Já não poderemos mais solicitar endereços, devendo usar o estoque regional. A partir de agora, todos os atores da Internet devem tomar medidas definitivas para desdobrar IPv6”, afirma Raúl Echeberría, Diretor Executivo do LACNIC e Chair do NRO em 2011.

IPv6 é a nova geração do protocolo da Internet e é fundamental para que a Internet continue crescendo nas próximas décadas. Entre muitas outras coisas, este protocolo determina o número total de endereços IP que podem existir. O desenvolvimento explosivo da Internet gerou uma grande demanda dos blocos disponíveis de endereços IP – um número único designado para cada dispositivo informático conectado à Internet- o que obrigou a criar um novo protocolo para permitir a expansão da Rede.

O sistema mais usado hoje, IPv4, tem um número finito de endereços IP, com pouco mais de 4 bilhões de combinações possíveis, que hoje têm se esgotado no estoque central e apenas restam os endereços resguardados pelos registros regionais para designar a seus usuários finais. Para substituir essa versão 4 do protocolo, foi ideado o IPv6, uma plataforma muito mais avançada e ampla, com maiores possibilidades.

Não é o fim da Internet, simplesmente o salto tecnológico mais importante desde sua criação, afirma Oscar Messano, Presidente do LACNIC, quem considera que a mudança é uma tarefa enorme e ao mesmo tempo essencial para garantir o futuro de uma Internet aberta e forte para as décadas vindouras. “Os operadores que não o fizerem correm o risco de limitar o crescimento do seu negócio”, advertiu Echeberría.

Desde sua criação, o LACNIC tem proporcionado informações, capacitado especialistas e promovido ações para que sejam tomadas as medidas a nível público e privado para atingir uma adoção efetiva do protocolo IPv6 na região. A disponibilidade atual de recursos IPv4 permite ao LACNIC aprofundar neste trabalho com operadores, governos, empresas e usuários da região para adotar, sem sobressaltos, o novo protocolo da Internet.

Durante  2011 o LACNIC vai trabalhar bem perto dos seus associados para identificar suas necessidades e as áreas nas que possa colaborar para acelerar o desdobramento do IPv6. Ao mesmo tempo, vai continuar realizando oficinas teóricas e práticas e vai implementar seminários virtuais acerca de assuntos específicos sobre o IPv6. Também está previsto incrementar as medições sobre o uso do IPv6 na região.

A América Latina e o  Caribe foram preparados da melhor forma possível para superar este desafio global. Se não existisse o LACNIC, com certeza a situação de hoje para esta região seria bem diferente. “Se o mundo todo fizer o que tem que fazer- disse o CEO do LACNIC- o usuário não tem por que conhecer nem sofrer as conseqüências desse salto tecnológico”.

Suscríbete para recibir mensualmente las últimas novedades en tu mail Click here to subscribe and monthly receive the latest news in your inbox. Inscreva-se aqui para receber mensalmente as últimas novidades no seu e-mail